quinta-feira, 23 de dezembro de 2010

“Perturbação Constante”

Algo de ruim involuntariamente
me leva ao ato.
Seria para preencher a falta.

Sorria, você está na cena.
Um momento de fraqueza
talvez por frieza.
Tchau, você não é mais necessário aqui.

Sinto, logo, não faço.

Política, normas.
E a identidade traz a perturbação constante.

Nenhum comentário:

Postar um comentário